Visão: No ponto, em Vila do Conde

A Biferia, o restaurante que abriu, há pouco mais de um ano, em Vila do Conde, ocupa um edifício histórico, de 1700, junto à igreja matriz. 
Numa homenagem à ligação da cidade aos pescadores, a sala é de madeira e com pormenores de corda, mas o que chega ao prato está longe de vir do mar. A carne (com maturação de 30 a 60 dias) é de cortes premium (€58/kg), como o Tomahawk e o Chuleton, apenas temperados com flor de sal e cozinhados na brasa. “Não é preciso mais nada”, garante Pedro Maia, o proprietário. A estas opções o chefe Gonçalo Guedes juntou o T-Bone (de um lado é filet mignon e do outro vazio) e a “posta japonesa”, uma carne descansada (menos de 30 dias de maturação) adocicada e extremamente tenra, como descreve Pedro.

Quem gosta de carne maturada não vai estranhar a chegada à mesa do Tomahawk com cerca de dois quilos, servindo-se apenas o rib eye ou o centro do vazio. É prato para deixar oito comensais satisfeitos. Para acompanhar, 
é preciso escolher entre arroz caldoso, linguini de legumes e batata ao sal. Nas entradas, sugere-se o carpaccio com rúcula, parmesão, alcaparras e trufa branca (€8) ou ovos rotos (€3,50) e, nas sobremesas, a tatin de pera com gelado de iogurte artesanal ou chocolate com frutos vermelhos (€4 a €5). Na carta de vinhos há cerca de 50 referências, cinco a copo (€2,50 a €4). Ao almoço, o menu executivo inclui entrada, bife, bebida e café (€9,50). Também existem opções vegan ou vegetarianas, como os bifes de atum 
e tofu – claro.

Original: http://visao.sapo.pt/actualidade/visaose7e/comer-e-beber/2018-05-31-Biferia-No-ponto-em-Vila-do-Conde